Achraf Hakimi
Share:

Achraf Hakimi

Filho de descendentes marroquinos e nascido em Madrid, Achraf Hakimi começou a dar seus primeiros chutes na bola no CD Colonia Ofigevi, modesto time da região de Getafe, na Espanha. Aos 8 anos, ele se juntou à equipe juvenil do Real Madrid, de onde não saiu mais até ser promovido para o time B em 2016. Cerca de 1 ano depois, participou da pré-temporada com a equipe principal madrilenha e, contra o Celta de Vigo, foi convocado pela primeira vez para estar no banco de reservas do Santiago Bernabéu.

Ainda naquele mesmo ano, ele fez sua primeira aparição na La Liga, além de também ter jogado duas partidas na Champions League 2017/18, quando o Real Madrid se sagrou tricampeão seguido. Ademais, mesmo que não estivesse no elenco convocado para estar na final, Hakimi recebeu a medalha do título e é creditado como o primeiro jogador marroquino a ganhar a principal competição de clubes da Europa.

Frequentemente convocado para a seleções de base de Marrocos, integrou a seleção principal na Copa do Mundo da Rússia, participando dos três jogos da fase de grupos. Sem espaço na equipe madridista, Hakimi foi emprestado ao Borussia Dortmund com vínculo até o final da temporada 2019/20 e sem opção de compra por parte da equipe alemã. O jovem de 20 anos tinha feito somente nove partidas na liga espanhola, chegando a anotar dois gols.

“Achraf Hakimi é um jovem lateral muito dinâmico, que jogou no nível mais alto pela seleção de Marrocos e pelo Real Madrid”, disse o diretor de futebol do Dortmund, Michael Zorc, logo após a contratação.

Inicialmente contratado para ser uma reposição do experiente Lukasz Piszczek, Hakimi começou as primeiras partidas da Bundesliga no banco de reservas. Contudo, como o polonês não iniciou bem o campeonato, ganhou sua primeira oportunidade no fatídico 7 a 0 contra o Nuremberg, quando chegou a fazer um dos gols. A partir disso, não saiu mais do time. Foram três jogos como lateral-direito, dando duas assistências e marcando um gol.

Como Marcel Schmelzer se lesionou e Lucien Favre não enxerga Raphael Guerreiro como lateral, o flanco esquerdo auri-negro ficou sem nenhum jogador da posição. Inicialmente, o zagueiro Abdou Diallo foi improvisado, mas o técnico acabou apostando de vez em Hakimi naquela posição. E acertou em cheio. Foi por lá que o marroquino obteve suas melhores atuações pelo Borussia Dortmund, chegando a dar três assistências na partida pela Champions League contra o Atlético de Madrid.

Alternando entre as duas laterais, o camisa 5 auri-negro viveu a melhor fase de sua carreira na primeira metade da temporada, antes da pausa de inverno da Bundesliga. Ao todo foram 18 jogos sendo utilizado, com um gol e seis assistências. Números mais do que aceitáveis para um jogador que não parecia engrenar tão rápido na carreira. No entanto, ele não conseguiu repetir as mesmas atuações no segundo turno. Pelo lado direito foi um desastre e pelo lado esquerdo um pouco mais aceitável, mas ainda mal.

Apesar da versão Hakimi de 2019 ter conseguido ocultar seu ótimo começo pelo Dortmund, vale ressaltar a lesão que o fez perder o final da temporada 2018/19, prejudicando-o consideravelmente. Mas antes de se machucar, ele já vinha figurando entre os reservas, muito pelo papel seguro que Marius Wolf e Abdou Diallo desempenharam no lado direito e esquerdo, respectivamente.

Ele tem um perfil ofensivo muito forte, muitos apoios, uma técnica notável e um físico muito característico e atlético, disse Luis Miguel Ramis, que foi seu treinador há vários anos na academia de juniores de Madri.

Muito veloz, o marroquino é um lateral de muita força física e possui uma impressionante capacidade ofensiva. No time de Favre, quando atuava pelo lado esquerdo, boa parte do desafogo da equipe vinha dos seus cortes para o meio, quebrando a ideia de que o lateral geralmente visa a linha de fundo. Seu estilo de jogo une a velocidade com um forte arranque, podendo ser considerado um dos jogadores mais velozes da Bundesliga.

Porém, como todo jovem jogador, existem muitos aspectos que precisam ser melhorados, principalmente na parte defensiva. Fraco combatendo e limitado na marcação, com ele o Dortmund ganhou muito apoio e diversas possibilidades ofensivas, mas perdeu defensivamente. Talvez esse até tenha sido um dos motivos pelos quais o Real Madrid buscou emprestá-lo para uma equipe que usualmente é mais exigida, pensando em fazer com que ele evolua sua principal fraqueza.

Com contrato até meio de 2020 com o Dortmund e 2021 com o Real, se conseguir recuperar a boa forma do começo da temporada já em 2019/20, é provável que os auri-negros tentem sua contratação em definitivo, ainda que seu valor de mercado tenha aumentado seis vezes mais de quando foi contratado. Independentemente dos rumores que existiram sobre Zidane pedir seu retorno, Hakimi ainda não está no nível ideal para retornar à equipe madrilenha. Todavia, ficando na Alemanha ou retornando à Espanha, seu futuro e sua perspectiva de carreira são mais do que promissores.

*O jogador foi eleito o melhor novato da Bundesliga dos meses de setembro e novembro. Para concorrer, é preciso que nunca tenha atuado na competição anteriormente e possua menos de 23 anos. A votação para rookie of the season (estreante da temporada) foi feita por voto popular.