Nascido em Vushtrri, cidade de Kosovo, Milot Rashica começou sua carreira futebolística no modesto KF Vushtrria, clube que joga a Liga e Parë, denominada segunda divisão kosovar. Antes de estrear profissionalmente pela equipe principal, chegou a fazer um teste no clube belga K.A.A. Gent, e mesmo aprovado, decidiu não se transferir para continuar no seu país natal.

Com apenas 16 anos, ele estreou pelo time profissional do Vushtrria e começou a chamar atenção. Contudo, em setembro de 2013, sofreu uma grave lesão — quando ficou 1 ano fora dos gramados — e foi enviado para realizar o tratamento em Hannover. Assim, no verão europeu de 2014, estreitou os laços com a Alemanha e realizou testes no Hannover 96 e no Union Berlin, ainda que não tenha obtido sucesso em ambos.

Meses depois, Rashica foi, por empréstimo, para os juniores do Vitesse, time holandês que joga a Eredivise, onde conseguiu se destacar a ponto de conseguir um contrato profissional pela equipe. Em fevereiro de 2015, assinou um contrato de três anos e foi transferido oficialmente por uma taxa de transferência de 300 mil euros. No time da cidade de Arnhem, o jogador foi peça fundamental na conquista inédita da Copa KNVB (Copa dos Países Baixos) e chegou a marca de 100 jogos oficiais.

15 gols e 24 assistências em 100 jogos pelo Vitesse foram necessários para atrair o interesse de diversos clubes europeus. (Foto: zimbio)

Na sua última temporada pela liga holandesa, ele não vivia seus melhores dias, visto que marcou somente três gols e deu três assistências em 19 jogos. Estava longe de ser a principal peça do Vitesse. Ainda assim, mesmo depois de ter sido recusado por dois clubes alemães, o Werder Bremen anunciou sua contratação em janeiro de 2018 por 7 milhões de euros.

“Essa transferência é um grande passo pra mim. Estou convicto que vamos conseguir sair dessa situação muito rápido e poderei desenvolver meu futebol aqui”, disse Rashica, em entrevista ao site do Werder Bremen, logo após ser anunciado pela equipe alemã.

Primeiro kosovar a atuar na Bundesliga, ele tinha dimensão do tamanho da chance que seria atuar na principal liga europeia no quesito oportunidade a jovens jogadores. Por ter chegado em um momento conturbado do Bremen na competição e já na metade da temporada, sua adaptação acabou sendo mais lenta do que o normal.

Contudo, na atual temporada, o jovem de 22 anos vive um grande momento: são sete gols nos últimos 10 jogos. Mais do que números, suas boas atuações estão sendo fundamentais para o Bremen ainda estar invicto em 2019. Por mais que ainda faltem alguns jogos na Bundesliga e na Copa da Alemanha, essa já é a temporada mais goleadora da carreira de Rashica.

Em toda sua trajetória no futebol, o jogador se notabilizou por render mais como ponta-direita, principalmente no Vitesse. Ao todo são 17 gols e 22 assistências em 98 jogos na posição. Para medida de comparação, pelo lado esquerdo ele só atuou em 19 partidas, onde marcou três gols e deu duas assistências. No começo da temporada, quando majoritariamente foi reserva, costumava atuar na sua posição de origem pelo lado direito. Como não vinha dando certo, Florian Kohfeldt resolveu testá-lo em outras posições e tudo começou a dar certo.

Posições onde é capaz de atuar


Alternando muito de posição com Max Kruse, atualmente Rashica — no papel — costuma atuar mais pelo lado esquerdo. Porém, tem liberdade para flutuar tanto pelo meio quanto pelos flancos. Nas raras situações de jogo, também é comum que ele consiga atuar como o segundo-atacante com mais autonomia para armar o jogo e tentar finalizar de fora da área.

Fica nítido na imagem como, em seu gol contra o Schalke 04 pela Copa da Alemanha, ele recebe a bola numa região onde, na teoria, deveria estar o volante/meio-campista. É essa liberdade que o fez crescer de produção tão rápido.
Nitidamente trocando de papéis nesse lance, Kruse cai pela ponta-esquerda e cruza para Rashica penetrar pelo meio da defesa, finalizando e empatando o jogo contra o Schalke 04 pela Bundesliga.
Agora pela ponta-direita, Rashica parte em direção ao gol num lance de contra-ataque na partida contra o Bayer Leverkusen pela Bundesliga. Na ocasião, Kruse, mais uma vez saindo da sua posição de origem, dá o passe para o kosovar abrir o placar.

Com passagem por todas as seleções de base da Albânia e até com alguns jogos (não oficiais) pela seleção principal, decidiu representar seu país de origem em 2016 e, até o momento, jogou 20 jogos oficiais e marcou somente dois gols, além de ter dado quatro assistências. Apelidado de “Rocket Man” (homem foguete) pelos companheiros de clube, seu estilo de jogo preza pela verticalidade unida a velocidade, sem contar sua habilidade com a bola nos pés. Em suma, suas características condizem com o forma de um extremo jogar.

“Milot pode fazer a diferença a qualquer momento com uma ação individual. Isso é um ativo valioso. Você só encontra esses jogadores muito raramente”, disse o treinador do Bremen, Florian Kohfeldt.  

Mais liberdade, mais gols: diferentemente de temporadas anteriores, quando distribuía muito mais assistências do que gols, atualmente ele se tornou um atacante mortal para as defesas adversárias, principalmente por ter evoluído no quesito finalização. A visível crescente na confiança do jogador também colabora. De qualquer maneira, parece que no seu atual momento, tudo dá certo dentro de campo. E que continue dando, porque o jovem kosovar tem todos os atributos necessários para se tornar um grande nome no futebol alemão e quiçá mundial.