Joelinton erra ao trocar o duvidoso pelo improvável
Share:

Joelinton erra ao trocar o duvidoso pelo improvável

Quase um clichê na atual janela de transferências, jogadores de clubes médios de boa parte das ligas europeias estão sendo seduzidos pelo fenômeno Premier League. Baseados na promessa de maior visibilidade e salários astronômicos, os mesmos estão preterindo um clube de menor expressão na Inglaterra do que um de médio para grande porte na Alemanha, por exemplo.

O caso Joelinton no Newcastle é um modelo de negócio cada vez mais comum no inflacionado mundo do futebol. Clubes de maior poderio financeiro se aproveitam da fragilidade estrutural dos rivais de outras ligas, além da – em suma maioria – péssima gestão de carreira esportiva que envolve os jogadores. Englobando o pacote como um todo, o ex-atacante do Hoffenheim foi mais uma vítima da roda gigante empresarial.

Por cerca de 44 milhões de euros, Joelinton precisou de 36 jogos pelo clube alemão para rumar ao Newcastle. Contratado do Sport, o brasileiro chegou a jogar uma temporada pelo Rapid Viena, da Áustria, antes de retornar para a temporada 2018/19 e atingir um nível inesperado. Talvez nem ele imaginasse uma ascensão em tão pouco tempo. Porém, ao ir à Premier League, ele assume um risco desnecessário na atual fase da carreira.

Interessado desde a temporada passada, o Newcastle teve a contratação do brasileiro barrada pelo então treinador da equipe na época, Rafa Benítez, que considerava mais importante investir o valor da transferência em outras áreas do clube, segundo o jornal Evening Chronicle. Com a saída do treinador espanhol e a contratação de Steve Bruce para comandar a equipe alvinegra, o jornal afirma que a contratação voltou a entrar em pauta. De toda forma, é nítido o fascínio da diretoria do Newcastle por Joelinton, mas não faz tanto sentido.

Ainda que o brasileiro de 22 anos demonstre ter um futuro extremamente promissor pela frente, a quantia paga e o que ele demonstrou até aqui, não constituem um negócio tão rentável assim. Pela capacidade financeira do clube inglês e as diversas outras opções em mercados até mesmo alternativos, um movimento por outro nome de mais bagagem poderia ter acontecido e, naturalmente, feito mais nexo.

As perdas de Salomón Rondón e Rafa Benítez constituem um cenário quase que de terra arrasada para o Newcastle. Diferentemente da última temporada, quando o clube escapou com certa tranquilidade do rebaixamento, o seu futuro atual condiz com mais familiaridade ao rebaixamento. Para que não ocorra, o natural das coisas é garantir peças capazes de decidir agora e, se possível, também no futuro. Joelinton é uma aposta para o presente e futuro. Mas será que já possui capacidade técnica de ser protagonista num clube de Premier League?

Newcastle/Divulgação

Não sou especialista na PL e muito menos sei qual foi o projeto apresentado pelo Newcastle ao brasileiro, mas tenho quase certeza de que foi um erro largar o Hoffenheim nas atuais circunstâncias. É claro que a saída de Julian Nagelsmann e a debandada de jogadores importantes como Kevin Demirbay e Nico Schulz influenciaram na decisão do Joelinton. Além do mais, a chegada de Alfred Schreuder, que pouco trabalhou como treinador na sua carreira futebolística, deixou mais incertezas do que convicções.

No entanto, quando colocado na balança, o peso da perspectiva de – na teoria – brigar por uma vaga europeia acaba sendo maior do que lutar contra o rebaixamento. Entendo e compreendo o argumento, muito falado aqui no Brasil, de que a Premier League possui a maior visibilidade do mundo. Não está errado. Entretanto, se submeter a ir para uma equipe que possui todos os requisitos para brigar contra o rebaixamento na competição, e deixar de apostar na continuidade de um clube onde já está adaptado, é um passo atrás na carreira.

O discurso da estagnação profissional até tem embasamento, mas não pra esse caso. Joelinton foi para o Hoffenheim em 2015 e só chegou a jogar mesmo na última temporada. Buscar desafios maiores é mais aceitável e cabível nesse contexto, até por se tratar de uma maior pressão sobre as metas estipuladas e o valor pago pelo clube na transferência. O sonho de jogar na atual mais badalada liga do mundo? Talvez, e mais cabível, resposta para a explicar sua decisão. Mas sonhos também podem esperar.