Matheus Pereira
Share:

Matheus Pereira

Nascido em Belo Horizonte, Matheus Fellipe Costa Pereira começou a sua carreira futebolística no Esporte Clube Democrata e no Filadélfia, pequenos clubes da cidade de Governador Valadares, localizada também em Minas Gerais. Mesmo muito jovem e com o sonho de se tornar profissional no esporte, se mudou para Portugal com apenas 12 anos. Depois de dois anos em Trafaria, cidade que fica nos arredores de Lisboa, Matheus foi convidado para atuar nos juvenis do Sporting.

Quando tinha 18 anos, com 22 gols em 25 jogos por todas as categorias de base, foi chamado para jogar pelo Sporting B e estreou na partida contra o Trofense em janeiro de 2014. Um ano depois,  fez sua estreia pela equipe principal do time português em outubro de 2015 num empate contra o Besiktas pela Europa League. Nessa mesma temporada 2015/16, o jovem alternou entre as duas equipes do Sporting, atuando 12 vezes na Ledman Liga Pro (segunda divisão portuguesa) e em 15 partidas contabilizando Liga NOS (primeira divisão portuguesa), Liga Europa e Taça de Portugal. Ao todo foram 13 gols e seis assistências em 27 jogos.

Na temporada seguinte, ele continuou realizando o mesmo esquema, mas teve menos oportunidades na equipe principal. Apesar de ter frequentado o banco em algumas ocasiões na Champions League, não conseguiu emplacar uma sequência de jogos e um empréstimo parecia ser a melhor saída para ambos os lados em questão. Assim, em 2017/18, foi emprestado ao GD Chaves, clube do mesmo país e que também joga a Liga NOS.

O objetivo de fazer com que o brasileiro obtivesse mais tempo de jogo foi concluído com êxito. Titular em grande parte dessa temporada, ele foi importante na boa campanha do clube na liga, chegando a fazer sete gols e dar cinco assistências em 27 jogos. Ainda assim, mesmo depois de uma temporada relativamente boa, o Sporting não lhe considerou um jogador pronto e o emprestou novamente. Porém, o clube da vez foi o Nuremberg, recém-promovido à Bundesliga.

“Valeu a pena para nós termos resistido na dura luta até o fim. Ele vai expandir nossas opções no ataque e nas laterais”, declarou o ex-diretor de esportes do Nuremberg, Andreas Bornemann.

Logo de cara dá pra dizer que, pelo status que o jogador tinha conquistado ao desempenhar um bom campeonato português por uma equipe de médio porte, era pra chegar já assumindo a titularidade. Mas não foi o caso. Matheus teve algumas dificuldades — talvez a adaptação — e demorou a emplacar na pior equipe do campeonato alemão. Exemplificando melhor: seu primeiro gol só saiu na 27ª rodada da competição.

Podendo desempenhar diferentes funções em uma gama de posições, o brasileiro atuou, em boa parte da temporada, como meia pelo lado direito. E foi por lá que conseguiu executar seu melhor futebol, sendo eleito o estreante do mês de abril na Bundesliga. Para ser justo, foi nesse único mês que ele definitivamente jogou bem e não à toa fez dois gols e deu uma assistência. Vale ressaltar que um desses gols foi o que abriu o placar no milagroso empate do Nuremberg contra o poderoso Bayern de Munique.

Ainda que eu ache sua comparação com Mohamed Salah esdrúxula, apesar de ter um roteiro parecido em empréstimos e tudo mais, suas características em campo lembram de certa forma o egípcio quando começou sua carreira. Forte segurando a bola, rápido, extremamente habilidoso e com aquela mesma jogada de tentar cortar pra dentro sempre que possível, o brasileiro até pode ser considerado mais completo entregando mais variáveis a sua equipe, mas está tão longe do atual nível de Salah que nem deveria haver essa analogia.

“Com o Pereira, temos um futebolista único de alta qualidade”, disse o meio-campista e capitão do Nuremberg, Hanno Behrens. 

Como todo jovem jogador, ainda há algumas deficiências no brasileiro, principalmente defensivas. E isso pode ter sido o principal motivo para que ele não tivesse conseguido engrenar na Alemanha logo de cara. Por ser historicamente um futebol mais físico e que necessita de recomposição tática na maioria das vezes, Matheus estava acostumado com um estilo mais espaçado e que pouco precisava contribuir defensivamente em Portugal. Contudo, conseguiu melhorar em relação a quando chegou ao país, tanto que terminou a temporada como titular.

Tudo bem que nem Jesus seria capaz de salvar o rebaixamento do Nuremberg, mas Matheus poderia ter contribuído mais do que conseguiu. Entretanto, isso não omite o fato de que ele conseguiu ser uma das poucas coisas positivas no limitadíssimo elenco da equipe alemã. Independentemente de ter obtido números sem grife, suas atuações só começaram a ter bom nível já pro final da temporada, justamente quando o antes auxiliar técnico, Boris Schommers, assumiu a equipe e colocou o brasileiro na função que melhor desempenha dentro de campo.

Aos 23 anos e próximo de garantir a dupla nacionalidade, que poderá fazer com que ele represente Portugal no futuro, Matheus não permanecerá no Nuremberg pela logística de disputar a segunda divisão alemã e pela equipe ter assumido não ter condições de pagar a opção de compra estipulada no contrato de empréstimo. Logo, por ainda não ter atingido o nível ideal, é bem provável que o Sporting lhe encaminhe para mais um empréstimo. Não sei se ele gostaria de continuar, mas seria conveniente ficar na Alemanha.

*O jogador foi eleito o melhor novato da Bundesliga do mês de abril. Para concorrer, é preciso que nunca tenha atuado na competição anteriormente e possua menos de 23 anos. A votação para rookie of the season (estreante da temporada) foi feita por voto popular.